.

ARTIGOS

Ansiedade
Celília Urbina- CRP- 12/00957

A ansiedade nos lembra quando a nossa vida não está caminhando bem. Um tranqüilizante possivelmente nos livra da ansiedade, deixando dormir, mas agindo assim não faremos nem um intento para identificar e colocar fim às causas da nossa ansiedade.
Pode ser que tenhamos um problema específico que requer uma solução ou o problema pode vincular-se com a nossa maneira de nos comportarmos e com nossos sentimentos, ou nas nossas relações com os outros. Também é possível que a preocupação seja algo que tenhamos aprendido que já se converteu num hábito ou doença.
A ansiedade se manifesta por sensação de preocupação, nervosismo, excitabilidade, desânimo ou irritabilidade. Ela também pode afetar fisicamente, resultando em problemas no estômago, intestino, dor no peito, alteração da pressão ou problemas na pele.
Uma vez que temos ansiedade, se cria um círculo vicioso. Quando estamos ansiosos percebemos melhor os nossos problemas e dores, o que nos leva a ficar mais ansiosos. Além disso, quando ansiosos ficamos confusos, custamos a nos concentrar e prestar atenção, o que aumenta a possibilidade de interpretar erroneamente o que outros dizem e fazem, fatos estes que também nos levam a nos preocupar.
Não é possível evitar a ansiedade, porém se consegue controlá-la e diminuí-la Dependendo das suas causas, podemos fazer algumas coisas para enfrentá-la e superar os fatores de preocupação. Algumas sugestões são:

- fazer alguma coisa prática sobre o problema;
- quebrar o círculo vicioso da ansiedade, por exemplo, procurando ajuda com profissionais da área de saúde mental, pegar férias, etc.;
- aprender a controlar o pânico por meio de relaxamento;
- falar consigo mesmo;
- colocar-se pequenas metas;
- analisar os problemas de base.